OBESIDADE Mulher que pesava mais de 230 quilos morre em hospital de Umuarama

OBESIDADE Mulher que pesava mais de 230 quilos morre em hospital de Umuarama

A moradora do Distrito de Santa Elisa, que pesava mais de 230 quilos, morreu por volta das 04h desta sexta-feira (15), após uma parada cardiorrespiratória súbita na Unidade de Terapia Intensiva do Instituto Nossa Senhora Aparecida, em Umuarama.

Em entrevista ao Portal da Cidade Umuarama, no último dia 6, Ivone Paes de Almeida, de 42 anos, relatou sua luta contra a obesidade. Ela disse que não conseguia mais realizar atividades comuns a todas as pessoas, dependendo da ajuda do marido e de parentes para, por exemplo, tomar um banho. “Está muito difícil minha vida, eu não aguento mais sofrer”, desabafou.

Ivone havia contado que desde pequena sofria com transtorno de compulsão alimentar, porém nos últimos dois anos as consequências geradas pela ingestão de uma grande quantidade de alimentos piorou, levando a obesidade mórbida a gerar graves problemas, o que também provocou a sua morte, já que vários órgãos vitais foram comprometidos com o sobrepeso.

“Ela está sofrendo muito. Até pedimos ajuda para um tio dela em Curitiba e ele disse que antes de passar por uma cirurgia bariátrica que é paga pelo SUS [Sistema Único de Saúde], ela precisa ir para um espaço onde é feito um tratamento para perda de peso. Ela não pode fazer uma cirurgia da forma como está, ela vai morrer”, destacou Iolanda Sacardo Bruno, de 58 anos, tia de Ivone, em entrevista ao Portal da Cidade Umuarama. Ainda segundo Iolanda, o tratamento em um spa custaria em torno de R$ 200 mil, dinheiro que a família não dispõe.

O Serviço de Atenção Primária da Secretaria Municipal de Saúde informou na mesma reportagem do dia 6, via Secretaria Municipal de Comunicação, que tinha conhecimento do caso da moradora de Santa Elisa. Ainda segundo a Atenção Primária, Ivone já teria sido auxiliada para que fosse possível a perda de peso necessária para a realização de uma cirurgia bariátrica.

Com o acompanhamento de um médico, psicólogo e de uma nutricionista, teria sido estipulada uma meta que a dona de casa chegou a alcançar, mas o médico pediu que ela continuasse com a dieta, acreditando que fosse possível a perda de mais peso, mas Ivone acabou desistindo do tratamento, deixando inclusive de tomar medicamentos por conta própria.

“Sabemos que o caso é grave e agentes de saúde têm feito visitas semanais a ela. Caso ela queira realmente tentar reduzir peso para realizar a cirurgia bariátrica, a Secretaria Municipal de Saúde coloca à disposição uma equipe de profissionais isentos e qualificados ”, concluiu o Serviço de Atenção Primária.

 
 

Fonte: Portal da Cidade Umuarama

Deixe seu Comentário