Alunos do IFPR de Umuarama protestam contra anúncio de corte de verbas na instituição

Alunos do IFPR de Umuarama protestam contra anúncio de corte de verbas na instituição

Os alunos do Instituto Federal do Paraná (IFPR), câmpus Umuarama, tiveram um início de aula diferente na manhã desta segunda-feira (6). O Grêmio Estudantil da instituição promoveu um momento de debate, reflexão e protesto ao anúncio feito pelo MEC, na semana passada, de que o Governo Federal cortaria 30% das verbas de custeio das universidades e institutos federais. A ação foi realizada no pátio do instituto com todos os alunos reunidos.

Conforme a integrante do Grêmio Estudantil, Ariele Daldello, o grupo teria pedido para que os alunos fossem às aulas com roupa preta, como forma de manifestar um sentimento de ‘luto’ pela educação. Na ocasião, houve discursos a respeito do corte de verbas, como o impacto que a ação pode trazer para a instituição de ensino. "Não é que não tiveram aulas, no início da manhã nós realizamos a atividade como forma de preparar os alunos para a consequência da possível retirada de verbas. A atividade foi uma forma de protesto", ressalta Ariele.

Para o Grêmio Estudantil, uma das prerrogativas que faz o grupo se posicionar contra o anúncio do MEC é o fato de o bloqueio afetar possivelmente a pesquisa das instituições. "O Brasil tem um ótimo desempenho em iniciações científicas, se realmente ocorrer o corte de verbas a instituição não terá condições de produzir igual é feito hoje, porque poderá faltar estrutura, bolsas etc", alega a integrante do Grêmio.

A ação realizada pelos alunos teve a autorização da direção e professores. Conforme as informações do Grêmio Estudantil, a atividade durou o período de uma aula. Após esse horário, as aulas foram retomadas normalmente.

Alguns pais de alunos manifestaram ao OBemdito preocupação com o ato, alegando que a atividade pode ter um cunho ideológico implícito de desmoralizar o governo. O Grêmio Estudantil, porém, rebate essa alegação, afirmando que o movimento foi feito para alertar e informar os alunos sobre o contexto atual das universidades e institutos federais. "Isso também é uma forma de aula, por mais que seja diferente da convencional. Na ocasião, além do presidente do Grêmio, uma professora de História e diretores da instituição também se manifestaram aos alunos¨, destaca Ariele.

OBemdito tentou entrar em contato com a diretoria do IFPR câmpus Umuarama para obter o posicionamento da instituição a respeito do bloqueio de verbas anunciado pelo MEC. Porém, a direção afirma que não vai se manifestar no momento, pois está analisando os impactos que a ação causará à instituição.

A assessoria de comunicação do IFPR divulgou uma nota dizendo que o bloqueio significa um impacto de R$ 20.895.166,00, o que, em média, corresponde a 36% do orçamento discricionário, em ações como capacitação e funcionamento (custeio, investimento e expansão).

Justificativa do governo

O bloqueio de 30% dos recursos destinados às instituições de ensino federal está previsto para o segundo semestre deste ano. O Ministério da Educação informou que, a partir de agora a liberação de verbas para as instituições dependerão da qualidade do ensino e a inserção dos alunos no mercado de trabalho.

O Ministério informou ainda que o bloqueio é necessário devido à restrição orçamentária prevista para toda a administração pública federal. O governo federal afirma que o bloqueio, caracterizado como preventivo, está relacionado à necessidade de adequação à Lei de Responsabilidade Fiscal. Para o governo, cerca de 30% dos gastos das universidades atualmente não são necessários.

Fonte: O Bemdito.

Deixe seu Comentário