Operação da Receita Federal em Umuarama resulta na apreensão de pneus contrabandeados

Operação da Receita Federal em Umuarama resulta na apreensão de pneus contrabandeados

A Receita Federal está em Umuarama nesta quinta-feira (14) para fiscalizar empresas que atuam na revenda de pneus. A operação conjunta conta com fiscais da Receita das Delegacias de Maringá, Cascavel e Foz do Iguaçu. Eles foram divididos em sete equipes que foram diretamente para sete empresas pré-selecionadas.

O auditor fiscal da Receita Federal de Maringá, Evandro Oliveira Calvo, explica que funcionários da RF estiveram à paisana na cidade antecipadamente para verificar os produtos e fizeram uma pré-seleção das empresas que seriam fiscalizadas nesta quinta. O objetivo é verificar a procedência dos pneus comercializados, se são importados legalmente ou trazidos do Paraguai.

Evandro explica que só de olhar o produto os fiscais já conseguem identificar. Um dos indícios mais visíveis é que geralmente o pneu contrabandeado tem a borda irregular – pois é dobrado para vir do Paraguai, cabendo um dentro do outro e reduzindo o volume. Há também marcas de fabricantes conhecidas pela Receita.

“Também trabalhamos muito com informação do proprietário da empresa fiscalizada. Quando chegamos já pedimos para que ele separe o pneu irregular. E depois fazemos um pente fino dos produtos que restaram”, informa o auditor.

Apenas em uma das empresas foram apreendidos 250 pneus. A estimativa é de que até o final da operação sejam apreendidos entre 800 a 1 mil pneus na cidade. Os produtos confiscados serão levados para as Delegacias da Receita de Cascavel e Maringá e, normalmente, são doados para órgãos públicos, como polícias e prefeituras.

Proximidade e concorrência

Evandro explica que, a princípio, a fiscalização na cidade irá acontecer nesta quinta-feira apenas nestas sete empresas. Ele lembra que a região é muito grande e próxima do Paraguai. “No caso de hoje, conseguimos reunir as equipes para esta operação específica. Porém, em Umuarama já aconteceram operações com apreensão de bebidas e de mercadorias nos Correios, que são as mais frequentes”, informa.

O auditor fiscal ressalta que os empresários da Capital da Amizade alegam que a proximidade com o Paraguai prejudica seus negócios. “Os comerciantes alegam concorrência desleal com as empresas do Paraguai. Tendo em vista a concorrência que sofrem, eles acabam entrando no jogo”.

Penalidades

As empresas que tiveram os pneus apreendidos em Umuarama sofrerão algumas penalidades. A primeira é perder a mercadoria. Na sequência a Receita faz a representação penal para fins fiscais.

Evandro diz que depois fica a cargo da Procuradoria da República oferecer ou não a denúncia-crime por descaminho.

Fonte: O Bemdito.

Deixe seu Comentário