“Problema do Pronto Atendimento é cultural”, diz secretária de Saúde de Umuarama

“Problema do Pronto Atendimento é cultural”, diz secretária de Saúde de Umuarama

O Pronto Atendimento Municipal de Umuarama – PAM realiza, em média, cerca de 6.200 consultas por mês. Em dezembro do ano passado, o número foi ainda maior. Foram mais de 6.600 atendimentos, o que causou superlotação e filas de espera de até quatro horas em alguns dias.

De acordo com um levantamento divulgado pela Coordenação do PAM, 61% dos casos não foram atendimentos de urgência nem de emergência, o que teria provocado as longas esperas.

Para a secretária municipal de Saúde, Cecília Cividini, o problema é cultural. Segundo ela, a secretaria estuda formas de criar uma nova campanha educativa, visando esclarecer a população.

“Esse é um problema cultural e persistente. Frequentemente são publicadas reportagens onde são divulgados o que são e quando procurar os serviços de Urgência e Emergência. Contudo, por costume, comodidade ou outras questões culturais, a maioria dos problemas que chegam ao Pronto Atendimento poderiam e deveriam ser tratados nas Unidades Básicas de Saúde”, disse a secretária em entrevista a OBemdito.

 

Bastou alguns instantes no Pronto Atendimento para a nossa reportagem constatar o problema. A jovem M.A. de 16 anos, aguardava atendimento junto com sua mãe, a representante comercial, R.A., de 42 anos. A menina estava com dor de cabeça moderada.

“Sempre procuramos atendimento aqui. Já vim por vários motivos. Somos muito bem atendidas. Os funcionários são muito atenciosos”, disse a mãe.

Quando questionada sobre porque não procurou a Unidade de Saúde perto da sua casa para consultar a filha, a representante comercial disse que ali, no PAM é mais rápido e prático o atendimento. “Aqui a gente chega e é atendido na hora”, destacou.

“As pessoas vão protelando problemas simples que, quando chegam aqui, já se agravaram. Atendi recentemente um senhor que chegou com uma unha encravada muito infeccionada. O paciente contou que há meses a unha estava doendo, mas só procurou atendimento quando não aguentou mais calçar o sapato”, contou um médico que estava de plantão no momento da reportagem.  

Os problemas mais comuns atendidos no PAM são: viroses, dores abdominais, alterações na pressão ou diabetes por falta ou uso incorreto de medicamentos, dor de cabeça moderada, gripes e resfriados, entre outros.

Não faltam médicos

De acordo com o coordenador do PAM, o enfermeiro Anderson Luis Candiani, não faltam médicos.

O Pronto Atendimento funciona das 7 às 23 horas. Três médicos (dois clínicos e um pediatra), atendem das 7 às 18 horas. A partir das 18 horas, são quatro médicos, sendo três clínicos e um pediatra. Na sexta-feira, quando as Unidades Básicas de Saúde de Umuarama fecham no período vespertino, quatro médicos atendem, a partir das 13 horas até às 23 horas.

“Essa quantidade de profissionais médicos, aliada a equipe multidisciplinar de enfermeiros e técnicos é suficiente para atender a demanda. O que aconteceu no final do ano foi uma situação atípica. Porém, mesmo com fila de espera, todos receberam atendimento”, explicou o enfermeiro, referindo-se às longas filas registradas entre os dias 25 e 31 de dezembro do ano passado.

Segundo o coordenador, os pacientes não são atendidos por ordem de chegada e sim, a partir do Protocolo de Acolhimento e Classificação de Risco nos Serviços de Urgência e Emergência, preconizado pelo Ministério da Saúde.

“Os casos de urgência ou emergência têm prioridade de atendimento: infarto, AVC, insuficiência respiratória, pressão muito alta, diabetes descontrolada, traumas com suspeita de fratura, cortes profundos com perda de sangue e qualquer situação que coloque em risco a vida do paciente ou a função de algum órgão ou membro do corpo”, exemplifica o enfermeiro.

Novo prédio do PAM deve ficar pronto em junho

Conforme já foi anunciado, está em andamento a construção da Unidade de Pronto Atendimento 24h que a Prefeitura de Umuarama vai implantar no antigo Posto de Saúde Central. A demolição para reforma, ampliação e adequação da estrutura foi iniciada ainda no final de 2018 e a expectativa de execução é de seis meses.

“Queremos inaugurar essa unidade no aniversário da cidade, em junho, desde que não haja imprevistos. O novo PA vai atender à população dia e noite, em casos de urgência e emergência. Haverá classificação de risco e apenas os casos mais graves serão encaminhados para os hospitais”, afirmou o prefeito Celso Pozzobom.

Conforme a Prefeitura, a mudança para a nova unidade faz parte de uma série de melhorias que a Secretaria Municipal de Saúde está implantando no setor.

Fonte: O Bemdito.

Deixe seu Comentário